| Login | Crie o seu Jornal Online FREE!

Psicologa Rosangela Durão de Freitas
Desde: 12/09/2009      Publicadas: 13      Atualização: 17/09/2009

Capa |  psicologa  |  psicologa rosangela durao de f


 psicologa

  12/09/2009
  0 comentário(s)


Inteligência Emocional

UM DIFERENCIAL NO MERCADO DE TRABALHO

Inteligência Emocional
UM DIFERENCIAL NO MERCADO DE TRABALHO.

SER CAPAZ DE SUPERAR FRUSTRAÇÕES E SABER INTERAGIR BEM COM AS PESSOAS SÃO ALGUMAS DAS ATITUDES DE UMA PESSOA EMOCIONALMENTE INTELIGENTE PARA FACILITAR SEUS RELACIONAMENTOS PESSOAIS E PROFISSIONAIS.
***
Em cenários de grande competitividade, é importante saber aliar a competência técnica à inteligência emocional. Em outras palavras, a estabilidade e a ascenção profissional não dependem apenas do conhecimento intelectual, mas também da capacidade da pessoa de lidar consigo mesmo e com os outros. Ele deve ter, por exemplo, automotivação para perseguir seus objetivos e empatia para entender o colega, chefe ou subordinado. É o que afirma DÁCIO Bonoldi Dutra, psiquiatra e psicodramatista de São Paulo, que ministra cursos de Inteligência Emocional em empresas para desenvolvimento de lideranças. Nesta entrevista, ele discorre sobre a importância da inteligência emocional nos relacionamentos profissionais e pessoais e mostra como podemos desenvolvê-la.

O QUE É INTELIGÊNCIA EMOCIONAL?
É a capacidade de conhecer e lidar bem consigo mesmo e de conhecer e lidar bem com os outros, seja nos relacionamentos familiares, sociais ou profissionais. A pessoa que consegue superar uma frustração e levar a vida adiante, por exemplo, é emocionalmente inteligente. O conceito de inteligência emocional foi introduzido por dois psicólogos norte-americanos, Peter Salovey e John Mayer, em meados da década de 80. Isso só aconteceu a partir do momento em que se chegou a um consenso de que existem múltiplas inteligências. Elas começaram a ser estudadas por outro psicólogo norte-americano, Howard Gardner, na década de 70. Gardner defende a existência de sete tipos de inteligência: a espacial, que explica, por exemplo, a facilidade de algumas pessoas se localizarem nas vias de trânsito; a musical, que é a capacidade de compor sons que sensibilizam as pessoas; a cenestésico-corporal, ou seja, a boa utilização do corpo para interagir com o meio ambiente, que gera uma habilidade motora, muito desenvolvida nos atletas e cirurgiões; a lógica e a verbal, que são as avaliadas pelo já conhecido quociente intelectual - QI; e a intrapessoal e interpessoal, respectivamente a relação consigo mesmo e a relação com os outros, que são justamente avaliadas pela inteligência ou quociente emocional - QE.

A INTELIGÊNCIA EMOCIONAL ABRANGE DUAS OUTRAS INTELIGÊNCIAS?
Ela 1abrange duas modalidades de inteligência: a intrapessoal e a interpessoal. A intrapessoal tem três dimensões. A primeira é o autoconhecimento, ou a capacidade de a pessoa fazer uma avaliação correta de si mesma, conhecer seus gostos, aquilo que é mais ou menos importante para ela, talentos e limitações. Sem o autoconhecimento, a pessoa não sabe calcular o tempo em que pode concluir um serviço específico ou, mais grave ainda, não sabe, por exemplo, o que estudar ou em que departamento da empresa atuar. A segunda é a autogestão, que é a habilidade da pessoa de gerenciar suas emoções, impulsos e se concentrar em determinada tarefa, além de ser criativa. E a terceira é a automotivação, que capacita a pessoa a dirigir suas emoções para se focalizar em objetivos importantes e manter sua determinação em alcançá-los ou saber se deve mudá-los. Já as dimensões da inteligência interpessoal são a empatia e a capacidade de lidar com o outro. A empatia significa entender os sentimentos da outra pessoa e é a base da capacidade de lidar com o outro.
Por exemplo, a pessoa com uma boa autogestão não reage simplesmente a uma atitude agressiva de um colega: se ela tiver empatia, ela entenderá as razões da atitude e poderá decidir como agir.

DE QUE MANEIRA ELA INFLUENCIA O DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL NA EMPRESA?
O sucesso da pessoa depende muito da sua competência ou conhecimento técnico aliado ao quociente emocional. Com a mudança do modelo produtivo da sociedade, a partir da década de 70, o homem precisa ser cada vez mais criativo e interativo, investindo na inteligência emocional. Antigamente, o profissional era como uma peça inserida num sistema produtivo, fazendo trabalhos que as máquinas fazem hoje. Mas o avanço tecnológico e a informatização mudaram esse quadro. Hoje as empresas podem contar com o mesmo hardware e software. Por isso, o diferencial será o peopleware, ou seja, a capacidade intelectual e emocional de seus profissionais. E a pessoa que não for adaptável emocional e intelectualmente a certos fatores terá dificuldades de estabilidade e ascensão social.

COMO O PROFISSIONAL DEVE SE COMPORTAR?
Ele precisa saber interagir com as pessoas, ter iniciativa, criatividade e capacidade de se adaptar a eventuais mudanças, como de função, liderança emergencial, união de equipes. Isso é especialmente verdadeiro no cenário nacional atual de competitividade. O profissional que atua na chefia, por exemplo, deve desenvolver mais as duas dimensões da inteligência interpessoal, ou seja, empatia e gerência de relacionamentos, já que seu trabalho envolve liderança e mobilização de equipes. Geralmente, o mal crônico nas empresas é que os melhores técnicos se tornam gerentes e o melhor técnico, muitas vezes, pode não ser o melhor gerente.

COMO PODEMOS DESENVOLVER NOSSA INTELIGÊNCIA EMOCIONAL?
O ideal seria conviver em um ambiente familiar de interação saudável da infância até à adolescência, período adequado para desenvolver ao máximo a inteligência emocional. A forma como os pais interagem com a pessoa e como ela aprende a interagir com os irmãos é uma situação preparatória para a vida social e profissional. Mas também é possível aperfeiçoar a inteligência emocional na idade adulta. Você pode fazer isso sozinho, observando e desenvolvendo os passos da inteligência emocional, ou seja, o autoconhecimento, autogestão, automotivação, empatia e a capacidade de lidar com o outro. Você deve procurar desenvolver sua sensibilidade, prestar atenção às suas emoções e saber expressá-las. Deve imaginar o que o outro está sentindo e perguntar a ele. Para isso, é importante ler um livro que o oriente sobre o assunto.

COMO CONTROLAR SUAS EMOÇÕES ?

Todos nós já ouvimos alguém, talvez até nós mesmos, ser aconselhado: "Controle suas emoções, esfrie a cabaça." Isto em geral significa: "Sufoque suas emoções". Porém, como aprendemos, as emoções nos fornecem muitas pistas da razão dos nossos atos, e sufocá-las iria nos privar dessa informação. Reprimi-las tampouco vai afastá-las, e pode permitir que elas cresçam despercebidas, como a raiva.
Controlar as emoções significa algo bastante diferente de sufocá-las; significa
compreendê-las e usar essa compreensão para modificar as situações em seu benefício. Digamos que você esteja numa reunião e seu chefe menospreze com veemência uma sugestão sua, e ainda por cima declare que se você tivesse se limitado ao que é da sua alçada não teria surgido com idéias tão disparatadas. Sua resposta espontânea e incontida poderia ser: "Seu idiota estúpido e insensível, se você se limitasse ao que é da sua alçada veria que a idéia é ótima!" Embora você possa estar inteiramente correto, tal explosão da sua parte certamente resultaria numa repreensão severa, talvez até em demissão.
Eis a maneira emocionalmente inteligente de lidar com essa situação.
Primeiro você toma consciência de que está sentindo raiva; depois atenta para os seus pensamentos. Os primeiros talvez não sejam tão nobres: "Ele é um idiota. Tenho vontade de matá-lo." Mas em seguida você desenvolve um diálogo interno construtivo: "Ele está sendo irracional. Não vou descer ao nível dele. Não vou deixar transparecer minha raiva. Sei que minha idéia é boa." Então você poderia atentar para todas as alterações fisiológicas, respiração acelerada, coração batendo forte, o ideal é praticar técnicas de relaxamento. Você olharia para as suas atitudes de raiva mandíbula tensa, punhos cerrados e as interromperia. Então poderia dar a si mesmo alguns minutos de trégua saindo da sala para beber um copo d"água. Finalmente, depois da reunião você buscaria uma solução para o fato de seu chefe menosprezá-lo em público.

COMO FAZER SEUS PENSAMENTOS, ATITUDES E ALTERAÇÕES FISIOLÓGICAS AGIREM EM SEU BENEFÍCIO ?

É importante lembrar que são seus próprios pensamentos, suas alterações físicas e suas atitudes que dirigem suas reações emocionais, não os atos de outra pessoa ou um acontecimento externo: no exemplo acima, foram seus pensamentos sobre a explosão do chefe, seu coração batendo forte e seus punhos cerrados que fizeram com que você sentisse raiva. Compreendendo isto, você reconhecerá que o poder de controlar sua raiva " aliás todas as suas emoções " pertence a você, não ao seu chefe grosseirão ou a qualquer outra pessoa, e isso requer que você assuma o controle dos três componentes do seu sistema emocional.

A tendência das situações perturbadoras, tais como ser repreendido por seu chefe ou estar com um colega, é que elas venham a gerar estilos e padrões de raciocínio distorcidos que modificam sua percepção da realidade. Aprendendo a evitar o raciocínio distorcido você terá melhores condições de conseguir maior domínio sobre seus pensamentos automáticos e controlar suas emoções.




  Mais notícias da seção psicologa rosangela durao de f no caderno psicologa
17/09/2009 - psicologa rosangela durao de f - APOSTILA PARA O CUIDADOR
COMO LIDAR COM UM IDOSO EM CASA...
17/09/2009 - psicologa rosangela durao de f - APRENDIZAGEM COLABORATIVA
Colaborar, cooperar e interagir para aprender......
12/09/2009 - psicologa rosangela durao de f - cuidador
O teste vai ajudar você a ficar ciente de seus sentimentos, pressões e cansaço pelos quais está passando...
12/09/2009 - psicologa rosangela durao de f - estresse
dicas para diminuir o estresse...
12/09/2009 - psicologa rosangela durao de f - ESTRESSE
A palavra "Estresse" vem do inglês "Stress". ...
12/09/2009 - psicologa rosangela durao de f - FILHOS ADULTOS DE ALCOÓLICOS
O que é um filho adulto? ...
12/09/2009 - psicologa rosangela durao de f - APOSENTADORIA
POR QUE OS HOMENS NÃO CONSEGUEM LIDAR COM A APOSENTADORIA...
12/09/2009 - psicologa rosangela durao de f - CLEPTOMANIA,
CLEPTOMANIA, um problema velado, é mais comum do que se imagina - Problema pode ter início na infância...
12/09/2009 - psicologa rosangela durao de f - CONCEITO SOBRE A MORTE NAS CRIANÇAS
UMA BREVE CONCEPÇÃO DE COMO AS CRIANÇAS ENTENDEM A MORTE...
12/09/2009 - psicologa rosangela durao de f - CO- DEPENDENCIA
FAMILIA, FILHOS, COMO TRATAR...



Capa |  psicologa  |  psicologa rosangela durao de f
Busca em

  
13 Notícias